10/03/2015

Caçadores de Nazistas na América Latina (2010)

Título: Caçadores de Nazistas na América Latina
(National Geographic)
Ano: 2010-2011
País: Canadá, Brasil
Gênero: Documentário, TV
Narração: Fred Napoli

Sinopse: 'Caçadores de nazistas na América Latina' é uma das maiores histórias de detetive de todos os tempos. Com oito missões fascinantes, esta série da National Geographic conta como um seleto grupo de agentes secretos e determinados justiceiros caçaram alguns dos homens mais perversos da história... E como, finalmente, mesmo após décadas de espera, os trouxe justiça. Intenso, visceral, e narrado por reais caçadores de nazistas, cada episódio conta a história de uma missão eletrizante. E, a partir dramática perseguição de Klaus Barbie, na Bolívia, para a operação audaciosa Mossad para sequestrar Adolf Eichmann em Buenos Aires, conta como os nazistas finalmente conheceram seu nêmesis.


>>> Mossad <<<

Os anos do pós-guerra foram uma época de caos e horror quando as forças aliadas tentaram capturar soldados alemães e membros do Partido Nazista na Europa devastada pela guerra. Foi neste ambiente confuso e muitas vezes sem lei que sobreviventes judeus começaram sua vingança.

Na Itália, França e Bélgica, soldados judeus que lutaram ao lado dos ingleses na Brigada Judaica do Oitavo Exército se uniram para formar uma rede informal mais tarde denominada 'nokim', que significa vingadores em hebraico.

Na Alemanha e na Europa Oriental, as fileiras do nokim aumentou com sobreviventes dos guetos e campos, muitos dos quais tinham sido membros da resistência judaica, mesmo quando os seus amigos e as famílias estavam sendo exterminados pela máquina de matar alemã. Durante o caótico período pós-guerra, sua sede de vingança só aumentou ao ver como muitos nazistas estavam fugindo ou sendo libertados pelos Aliados.

O nokim logo criou seus próprios esquadrões de execução, rastreando altos membros do regime nazista com informações de sobreviventes e membros da resistência judaica, e usando apoio logístico fornecidos pelos seus colegas britânicos.

Embora seu objetivo final era matar, eles também operaram sua própria forma de justiça, como a leitura de acusações na qualidade de juiz, júri e carrasco. Seu método preferido de matar era por estrangulamento, um método que não deixava rastros de sangue ou outros vestígios. Outros nazistas encontraram a morte em 'acidentes de carro' ou foram induzidos a cometer suicídio. Acredita-se mais de 1.000 oficiais nazistas foram tratados desta forma.

Nos anos seguintes, os vingadores viajaram para mais longe nos seus esforços de rastrear fugitivos nazistas: Síria, Egito, Marrocos, Espanha, América do Sul e até mesmo Canadá. Mas as possíveis execuções sumárias dos anos do pós-guerra não poderiam continuar para sempre.

Focada em ajudar refugiados judeus a fugir para a Palestina, as principais figuras do movimento se dedicaram a criar um Estado judeu independente, e sentiram que as execuções poderiam prejudicar sua causa. Levaria mais alguns anos até o governo do recém criado Estado Israelense sancionar uma entidade de carrascos vingadores, comandados por muitas das mesmas pessoas, na forma do braço ultramarino da inteligência israelense, o Mossad.

O primeiro-ministro de Israel, David Ben-Gurion, criou o Mossad em 1951. Mas com as reivindicações imediatas do conflito árabe-israelense, foi apenas em 1958 que ele deu a ordem para caçar figurões nazistas e trazê-los à justiça. A lista de criminosos foi compilada, e, em 1960, Adolf Eichmann foi seqüestrado em uma operação que causou forte impacto em todo o mundo. O julgamento que se seguiu deixou os israelenses convencidos de que seu novo país era ao mesmo tempo determinado e capaz de proteger os judeus de qualquer futura ameaça.

Depois de Eichmann foi capturado, o Mossad considerou expandindo suas atividades visando nazistas. Mas, com recursos limitados, Eichmann permaneceu apenas como um dos dois sucessos significativos do serviço secreto israelense, ao lado do ex-comandante do esquadrão da morte letão Herbert Cukurs.

>>> Simon Wiesenthal <<<

Um dos mais famosos sobreviventes dos campos de concentração nazistas, Simon Wiesenthal passou a personificar os esforços do pós-guerra para caçar criminosos de guerra nazistas. Wiesenthal trabalhou incansavelmente até a sua morte, em 2005, aos 96 anos. Com seu trabalho surgiu o Centro Simon Wiesenthal de Los Angeles, em 1977, continuando seu legado de caçadores de nazistas até os dias atuais.

Nascido em uma família de judeus ortodoxos em Buczacz, na Ucrânia (então parte do Império Austro-Húngaro), Simon Wiesenthal sobreviveu à invasão soviética do final dos anos 1930, e depois da chegada dos nazistas em 1941, assistiu, impotente, sua mãe ser deportada para a execução. O jovem arquiteto também acreditava que sua esposa Cyla tinha sido executada até que os dois foram milagrosamente reunidos após a guerra.

Wiesenthal foi preso pela primeira vez no campo de concentração de Janowska, e mais tarde foi transferido para um pequeno campo de trabalhos forçados, onde as condições foram mais toleráveis. Por causa de suas habilidades profissionais, Wiesenthal foi escolhido e designado para o trabalho de arquitetura, e através de contatos com empreiteiros poloneses, fugiu em outubro de 1943. Ele foi recapturado pela SS no ano seguinte, convencido de que ele enfrentaria a tortura e seria morto em campos de extermínio, fez três tentativas de suicídio.

Depois disso, Wiesenthal foi transferido de um campo de concentração para outro: a primeira volta para Janowska, então Plaszow, em seguida, para Auschwitz, onde os crematórios estavam funcionando a plena capacidade e incapaz de lidar com o fluxo ainda maior de vítimas, e, finalmente, foi para Buchenwald. Em fevereiro de 1945, Wiesenthal tinha experimentado onze campos de concentração, depois de passar seis dias no confinamento em um trem de carga destinado para o notório campo de Mauthausen, na Áustria.

Após a sua chegada lá, a condição de Wiesenthal era tão pobre que ele foi colocado em uma cabana reservada para aqueles que estavam à beira da morte. Por incrível que pareça, ele se agarrou à vida e era pouco mais que um feixe de ossos cambaleante quando os americanos libertaram o campo em maio de 1945. Wiesenthal, já então um homem livre, se ofereceu para ditar uma lista de 91 nomes de funcionários do acampamento. Consumida pelo desejo de justiça, mais tarde ele rastreou mais de 70 deles.

Em 1947, trabalhando para os americanos, Wiesenthal criou um escritório em Linz, na Áustria, para coletar informações para uso em futuros julgamentos de crimes de guerra, e apesar das condenações em Nuremberg, muitos dos nazistas mais notórios permaneceu à solta. Como a Guerra Fria dominando as pautas dos alidos, a caçada aos nazistas deixou a agenda política, e um Wiesenthal desanimado fechou o escritório de Linz em 1954.

O entusiasmo de Wiesenthal foi reacendido em 1960, quando agentes do Mossad sequestraram Adolf Eichmann na Argentina, e mais tarde seria julgado e executado. Wiesenthal inaugurado o Centro de Documentação Judaica em Viena, onde coletava denúncias de uma rede mundial de simpatizantes, ativistas de direitos humanos e até mesmo de ex-nazistas, ele compilou e 'perseguiu' cerca de  90.000 pessoas nomeadas nos arquivos de crimes de guerra alemães.

Entre seus maiores sucessos como caçador de naziwstas, estão a captura de Franz Stangl, comandante do campo de extermínio de Sobibor, Karl Silberbauer, o oficial da Gestapo que prendeu Anne Frank, e Hermine Braunsteiner-Ryan,  guarda do campo de concentração de Majdanek, que se tornou a primeira criminosa de guerra a ser extraditado da América, e que foi a inspiração para o personagem de Kate Winslet no filme 'The Reader'.

Em 1977, o rabino Marvin Hier estabeleceu o Centro Simon Wiesenthal em Los Angeles. Wiesenthal permitiu que o centro tivesse seu nome com a condição de que ele não iria limitar-se a comemoração do Holocausto, mas perseguir uma agenda ativista de questões relacionadas ao Holocausto.

>>> Serge & Beate Klarsfeld <<<

Indiscutivelmente os caçadores de nazistas europeus mais bem sucedidos e mais ousados, Serge e Beate Klarsfeld vieram de origens muito diferentes para forjar uma parceria que iria levar à justiça alguns dos criminosos de guerra nazistas mais notórios de todos, incluindo, o mais famoso, o 'Açougueiro de Lyon', Klaus Barbie.

Nascido em uma família protestante em Berlim, em 1939, Beate era filha de um piloto Wehrmacht que lutou para o Terceiro Reich durante a guerra. Mesmo crescendo na Alemanha do pós-guerra, ela pouco aprendeu sobre o Holocausto, e foi apenas ao mudar-se para Paris em 1960, quando conheceu Serge, que ela começou a entender as atrocidades que foram cometidas em seu próprio país. Beate já disse muitas vezes que todas as suas ações têm se originado de seu ultraje moral por ser alemã.

Serge Klarsfeld é um judeu francês que sofreu os horrores do Holocausto. Quando a Gestapo chegou para levar sua família para deportação, seu pai disse-lhes que sua esposa e filhos estavam nos banhos sendo desinfectados, quando, na verdade, eles estavam amontoados em um armário atrás de uma parede falsa.

Os nazistas prenderam seu pai e Serge foi para nunca mais pôde vê-lo novamente. Mais tarde, ele descobriu que morreram em Auschwitz. Foi essa perda que o levou a subsequente campanha longa e meticulosa de Serge para documentar cada judeu francês que morreu nas mãos dos nazistas.

A carreira de caçadores de nazistas do casal foi motivada pela sua percepção ao longo dos anos 1960, de que ex-nazistas estavam levando uma vida respeitável na sociedade alemã ocupando cargos de juízes e políticos, até mesmo empresários bem sucedidos - algo que parecia intolerável para eles. Sua indignação atingiu seu ápice em 1966, quando o ex-propagandista nazista Kurt Kiesinger foi eleito chanceler da Alemanha.

Beate montou um dossiê de atividades de guerra de Kiesinger e apresentou-o a imprensa francesa e alemã, mas ela não parou por aí. Em 1968, ela abriu caminho entre a multidão para chegar perto dele e publicamente bateu Kiesinger no rosto. Foi um golpe que repercutiu em toda a Europa e ainda é discutido nas escolas alemãs hoje.

A ação de Beate resultou em uma sentença de prisão, mas ela e Serge astutamente virou seu apelo em um julgamento de Kiesinger. No ano seguinte, Beate realiza campanha contra ele, ajudando Willy Brandt ganhar a chancelaria.

Usando meios legais e ilegais para perseguir e processar ex-nazistas confortavelmente assentados na Europa e na América do Sul, Beate e Serge utilizaram repetidamente sua persistência e astúcia. Eles preferem não usar o termo 'caçadores de nazistas', uma vez que muitos dos que eles procuravam não estavam se escondendo, mas viviam livremente.

O trabalho de sua vida tem sido difícil e muitas vezes perigoso. Ambos já cumpriram pena de prisão e têm sofrido inúmeras ameaças de morte, mas ninguém fez mais para forçar a França a enfrentar seu passado colaboracionista e levar os criminosos de guerra à justiça do que eles.

Episódios:

01 Herbert Cukurs + Wikipedia
Herbert Cukurs é um oficial da Força Aérea da Letónia e piloto mais célebre de seu país, mas depois da invasão nazista, ele ganha o apelido de 'Açougueiro de Riga' após unir forças com os fascistas, e é responsável pelo extermínio de 30.000 judeus da Letónia. Vinte anos depois, Cukurs está vivendo tranquilamente em São Paulo, Brasil. Isto é, até que a unidade do serviço secreto israelense o encontra.

02 Adolf Eichmann + Wikipedia
Em 1960, um dos mais notórios criminosos de guerra nazistas, Adolf Eichmann, está vivendo incógnito na periferia de Buenos Aires. Pode o serviço secreto israelense rastreá-lo e trazê-lo à justiça?

03 Klaus Barbie + Wikipedia
Como o chefe da Gestapo em Lyon, Klaus Barbie tem o sangue de 10.000 judeus franceses em suas mãos. Mas ao invés de ser preso após a guerra, ele é contratado pela CIA como um agente anti-comunista, e, eventualmente, foge para a América Latina, onde vive despercebido durante décadas.

04 Erich Priebke + Wikipedia
Como um dos oficiais da Gestapo de mais alto escalão em Roma durante a guerra, Erich Priebke é responsável por uma das piores atrocidades da Itália. Mais tarde, ele escapa para a Argentina, onde ele se esconde da justiça por 50 anos. Então uma competente equipe de jornalistas de televisão americanas tropeça em seu rastro.

05 Joseph Mengele + Wikipedia
Indiscutivelmente o fugitivo nazista mais notório de todos, Dr. Joseph Mengele ganhou o apelido de 'Anjo da Morte' por seus experimentos perversos e sádicos em Auschwitz-Birkenau. Após a guerra, Mengele fugiu para Buenos Aires, onde viveu a vida em fuga. Levaria cerca de trinta anos para rastrear o infame Dr. Mengele.

06 Kurt Lischka + Wikipedia (em inglês)
Como o chefe da Gestapo em Paris, Kurt Lischka ordena a maior prisão em massa na história da França e é responsável pelo assassinato de 33 mil judeus. Mas em vez de ser julgado por seus crimes, Lischka desfruta de uma vida tranquila depois da guerra, graças a uma brecha legal protegendo nazistas como ele da acusação.

07 Paul Touvier + Wikipedia (em inglês)
Um dos piores vilões do tempo de guerra da França, Paul Touvier é um traidor anti-semita que aterroriza seus próprios compatriotas. Após a guerra, Touvier se volta para a igreja católica ajudá-lo. E depois de 40 anos na clandestinidade, um investigador francês está determinado a caçá-lo.

08 Gustav Wagner / Franz Strangl + Wikipedia GV - Wikipedia FS
Um crente fervoroso de teorias de Hitler sobre raça e superioridade ariana, Franz Stangl foi um policial austríaco que se juntou ao partido nazista. Este episódio segue os eventos de 1964, quando o mais famoso caçador de nazistas do mundo, Simon Wiesenthal, recebeu uma denúncia anônima sobre o paradeiro de Stangl.

Obs: Ao contrário do que estamos acostumados, não há links para download desta série, sequer legendas foram encontradas. Muito provavelmente por não ter sido lançado em vídeo, sendo uma produção da National Geographic. Os links para o YouTube (encontrados no título de cada episódio) estão em sua maioria em 240p, infelizmente, bem abaixo do ideal.

3 comentários:

  1. Seu site é espetacular. Muito instrutivo. Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  2. Grato pelo conhecimento!

    ResponderExcluir
  3. Quem poderia me dizer sobre um NAZISTA que viveu no interior do BRASIL na cidade de ARAGARÇAS. Caso alguém tenha algum interesse pelo assunto favor entrar em contato pelo fone 061 9948-5530 falar com Waldenor.

    ResponderExcluir